Pensamento Computacional na Educação Básica: Reflexões a partir do Histórico da Informática na Educação Brasileira

Authors

  • Márcia Regina Kaminski Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Tiago Emanuel Klüber Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Clodis Boscarioli Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5753/rbie.2021.29.0.604

Keywords:

Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação, Pensamento Computacional, História, Informática na Educação, Tendências Pedagógicas, Práticas Pedagógicas com Tecnologias, Educação Básica

Abstract

Atividades que propõem o desenvolvimento do Pensamento Computacional (PC) têm sido cada vez mais empregadas em ambientes escolares, e algumas contribuições para o desenvolvimento de aspectos cognitivos têm sido relatadas na literatura. Todavia, considerando que o esforço de inserir o PC na Educação não é tão recente, mas tem raízes no início da história da Informática na Educação, e que as práticas pedagógicas devem ser pensadas e conduzidas com objetivos claros, em conformidade com a visão de mundo que se tem e que se almeja, é pertinente refletir acerca das razões que justificam atividades com PC na escola, e sobre o que a história nos ensina a respeito da sua integração aos processos de ensino e aprendizagem. Nesse sentido, este artigo tem por finalidade promover essa reflexão a partir de um olhar histórico sobre a trajetória da Informática na Educação brasileira, buscando compreender as implicações do contexto sociocultural em cada momento, as concepções de relação do homem com as tecnologias, e os impactos à forma como as tecnologias foram utilizadas na Educação, relacionando com as tendências pedagógicas implícitas. Para tanto, realizou-se uma pesquisa bibliográfica e documental. Os resultados indicam que a realidade cibercultural contemporânea incita e justifica o interesse pela inserção do PC nas escolas, porém, requer que sejam considerados aspectos como concepções pedagógicas e visão equilibrada sobre o papel das tecnologias na Educação, formação de professores e alinhamento das atividades de desenvolvimento do PC com os conteúdos curriculares

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Regina Kaminski, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutoranda em Educação em Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Cascavel. Mestre em Ensino pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Foz do Iguaçu (2018). Licenciada em Matemática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Cascavel (2003), Pós Graduada em Ensino da Matemática, com Curso Técnico em Multimeios Didáticos pelo Instituto Federal do Paraná. Instrutora de Informática Educacional na Rede Municipal de Educação de Cascavel-PR e Docente no Centro Universitário UNIVEL - Cascavel - PR. Tem interesse em pesquisa nos seguintes temas: Sistemas de Numeração e Ensino, Ambientes Virtuais de Aprendizagem, Pensamento Computacional e Robótica Educacional nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, Metodologias Ativas de Ensino. Membro do Grupo de Pesquisa em Tecnologia, Inovação e Ensino - GTIE. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5705-0322

Tiago Emanuel Klüber, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Possui graduação em Matemática (2004) e especialização em Docência no Ensino Superior (2006) pela Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO. É mestre em Educação (2007) pela Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG e doutor em Educação Científica e Tecnológica (2012) pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Pesquisa nas áreas de Educação e Ensino, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Modelagem Matemática, Formação de Professores, Epistemologia. Compôs o corpo docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação, PPGE, Campus Cascavel, entre 2013 e 2016, passando a colaborador em 2017-2018. Compôs o corpo docente permanente do Pós-Graduação em Ensino, PPGEn, Campus Foz do Iguaçu, 2014-2017 e passou à atuar como colaborador em 2018. Membro e vice-coordenador (2012-2015 e 2015-2018) do GT-10 Modelagem Matemática, da Sociedade Brasileira de Educação Matemática, SBEM. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Educação Matemática da Unioeste, nível de mestrado e doutorado (CAPES, conceito 4), campus Cascavel.

Clodis Boscarioli, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Clodis Boscarioli é Professor Associado na Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel, onde atua desde o ano de 2000, no Curso de Ciência da Computação. Docente permanente e orientador no Programa de Pós-graduação em Ciência da Computação (PPGComp) e no Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Educação Matemática (PPGECEM) nível de Mestrado e Doutorado no campus de Cascavel e no Programa de Pós-graduação em Ensino (PPGEn) - nível de Mestrado no campus de Foz do Iguaçu, além de docente colaborador no Programa de Pós-graduação em Tecnologias, Gestão e Sustentabilidade (PPGTGS) também no campus de Foz do Iguaçu. Possui graduação em Informática e especialização em Ciência da Computação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1996 e 1999, respectivamente). É Mestre em Informática pela Universidade Federal do Paraná (2002). Doutor em Engenharia Elétrica pela Universidade de São Paulo (2008), e também especialista em Formulação e Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Governo do Paraná em parceria com a Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2008). Criador do Grupo PETComp (Programa de Educação Tutorial em Ciência da Computação) aprovado pela Sesu/MEC em 2010 do qual foi tutor até dez/2016. Suas áreas de interesse envolvem, de forma multidisciplinar, Banco de Dados, Interação Humano-computador, Design Instrucional, Aprendizado Computacional, Data Mining, Sistemas de Informação, Educação Matemática e Tecnologias [Assistivas] no Processo de Ensino-Aprendizagem, além de questões relacionadas ao Ensino de Computação. Líder do GTIE (Grupo de Pesquisa em Tecnologia, Inovação e Ensino) e pesquisador colaborador no grupo de pesquisa GIA (Grupo de Inteligência Aplicada), ambos da UNIOESTE.

Referências

Barbosa, L. (2019). A inserção do Pensamento Computacional na Base Nacional Comum Curricular: reflexões acerca das implicações para a formação inicial dos professores de matemática. Anais do Workshop de Informática na Escola (WIE), 25(1), 889-898. doi: 10.5753/cbie.wie.2019.889. [GS Search]

Blikstein, P. (2008). O pensamento computacional e a reinvenção do computador na educação. Recuperado de: goo.gl/57eqxG. [GS Search]

Bombassaro, L. C. (1992). As Fronteiras da Epistemologia: Como se produz o conhecimento. (2a ed.). Petrópolis: Vozes. [GS Search].

Brackmann, C. P. (2017). Desenvolvimento do Pensamento Computacional Através de Atividades Desplugadas na Educação Básica. (Tese de Doutorado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. Recuperado de: [link]. [GS Search].

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2015. Recuperado de: http://twixar.me/WS11. [GS Search].

Brasil. (1994). Programa Nacional de Informática Educativa Proninfe. Brasília, DF: Semtec, nov. 1994. Recuperado de: http://twixar.me/ZS11. [GS Search].

Brasil. (1996). Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 23 dez. 1996. Recuperado de: http://twixar.me/hS11.

Brasil. (2007). República Federativa do Brasil. Decreto nº 6.300, de 12 de dezembro de 2007. Programa Nacional de Tecnologia Educacional - Proinfo. Brasília, DF, dez. 2007. Recuperado de: https://bit.ly/2MVjF0J.

Brasil. (2008a). Ministério da Educação - MEC. Banco Internacional de Objetos Educacionais (BIOE). Recuperado de: https://bit.ly/2NqWMVe.

Brasil. (2008b). República Federativa do Brasil. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE. Programa Banda Larga nas Escolas (PBLE). Recuperado de: [link].

Brasil. (2014). República Federativa do Brasil. Lei nº 13005, de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação (PNE). Extra. ed. Brasília: Diário Oficial da União, 26 jun. 2014. Seção 1. Recuperado de: http://twixar.me/4S11.

Brasil. (2018a). Base Nacional Comum Curricular (BNCC). MEC/CONSED/UNDIME de 2018. Brasília, Recuperado de: http://twixar.me/vS11.

Brasil. (2018b) República Federativa do Brasil. Resolução nº. 9, de 13 de abril de 2018. 72. ed. 2, 16 abr. 2018. Seção 1, 16-20. Recuperado de: https://bit.ly/2TQRvrA.

Carvalho, M. S. R. M. D. (2006). A Trajetória da Internet no Brasil: Do Surgimento das Redes de Computadores à Instituição dos Mecanismos de Governança. (Dissertação de Mestrado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ. Recuperado de: [link]. [GS Search].

Centro de Inovação para a Educação Brasileira (CIEB) (2018). Currículo de Referência em Tecnologia e Computação. São Paulo: Cieb, 2018. Recuperado de: [link].

Chaui, M. (2000). Convite à Filosofia. São Paulo: Ática. [GS Search].

Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI) (2018). TIC Educação 2017 - Pesquisa Sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras. Recuperado de: [link].

Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI) (2020). TIC Educação 2019 - Pesquisa Sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras. Recuperado de: [link].

Conferência Nacional de Educação (Conae) - Comissão Organizadora Nacional da (2010). Fernandes, Coordenador-geral: Francisco das Chagas (Org.). Documento Final Conae. Brasília: MEC. Recuperado de: https://bit.ly/318CFU3.

Corrêa, R. P. (2015). O Processo de Construção Curricular da Informática Educativa na Rede Municipal de São Paulo de 1889-2010. (Dissertação de Mestrado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. Recuperado de: https://bit.ly/2Npo52g. [GS Search].

Cupani, A. (2016). Filosofia da tecnologia: um convite (3a ed.). Florianópolis: UFSC. [GS Search].

Dias, S, M, M. (2012). Mais perto do céu: influências da corrida espacial na canção brasileira. (Dissertação de Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG. Recuperado de: [link]. [GS Search] .

Fagundes, L. C; Aragon, R.; Basso, M. V. A. & Maraschin, C. (2019). Laboratório de Estudos Cognitivos: percursos de pesquisa, formação e criação. Informática na Educação: teoria & prática, (22) 2, 242-257. Recuperado de: [link]. [GS Search].

Fonseca Filho, C. (2007). História da computação: o caminho do pensamento e da tecnologia. Porto Alegre: Edipucrs. [GS Search].

França, R., & Tedesco, P. (2019). Pensamento Computacional: Panorama dos Grupos de Pesquisa no Brasil. Anais do XXX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE), 30(1), 409-418. doi: 10.5753/cbie.sbie.2019.409. [GS Search].

Kenski, V. M. (2012). Educação e tecnologias: um novo ritmo da informação (8a ed.). Campinas: Papirus. [GS Search].

Kuhn, T. (1991). A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva. [GS Search].

Libâneo, J. C. (1992). Tendências pedagógicas na prática escolar. In: LIBÂNEO, J. C. (Org.) Democratização da Escola Pública – a pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Loyola. [GS Search].

Matos, R. L. O.; Filho, O. S. & Kiouranis, N. M. M. (2019). A “linha de abastecimento”: reflexões sobre a educação das meninas na área das Ciências Exatas e da Computação. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 10 (3), 18-36. doi: 10.26843/rencima.v10i3.1999. [GS Search].

Mccrindle, M. (2009). The ABC of XYZ: understanding the global generations. Sydney: Press Book. [GS Search].

Mccrindle, M. (2020). Compreendendo a Geração Alpha. Recuperado de: [link].

Moraes, M. C. (1997). Informática Educativa no Brasil: uma história vivida, algumas lições aprendidas. Revista Brasileira de Informática na Educação (RBIE), 1(1), 19-44. doi: 10.5753/rbie.1997.1.1.19-44. [GS Search].

Moran, J. M. (2012). A Educação que desejamos: Novos desafios e como chegar lá. (5a ed). São Paulo: Papirus. [GS Search].

Nascimento, J. K. F. D. (2007). Informática aplicada à educação. Brasília: Universidade de Brasília. Recuperado de: http://twixar.me/gS11.

Ortiz, J., & Pereira, R. (2018). Um Mapeamento Sistemático Sobre as Iniciativas para Promover o Pensamento Computacional. Anais do XXIX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE), 29(1), 1093. doi: 10.5753/cbie.sbie.2018.1093. [GS Search].

Papert, S. (1980). Mindstorms: Children, Computers and Powerful Ideas. New York: Basic Books.

Papert, S. (1996). An exploration in the space of mathematics educations. International Journal of Computers for Mathematical Learning. 1(1), 95-123. Recuperado de: [link]. [GS Search].

Prensky, M. (2001). Nativos Digitais, Imigrantes Digitais. The Horizon. 9(5). Recuperado de: [link]. [GS Search].

Queiroz, C. & Moita, F. (2007). As tendências pedagógicas e seus pressupostos: Fundamentos Sócio-filosóficos da Educação. 15º Fascículo. (22a ed.). Campina Grande: Iepb/ UFRN. Recuperado de: http://twixar.me/wS11. [GS Search].

Reis, R. M. V. (2005). Cartografia da Informática Educativa em Fortaleza: Mapeando Cenários, Identificando Saberes dos Atores Formadores e Interpretando a Trama da História. (Dissertação de Mestrado) - Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, CE. Recuperado de: [link]. [GS Search].

Rezende, E. T. (2006). A informática na educação como perspectiva de construção do sujeito. (Dissertação de Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR. Recuperado de: http://twixar.me/9S11.

Santiago, L. B. M. (2017). História e Memória da Informática Educativa no Ceará. (Tese de Doutorado) - Universidade Federal do Ceará – UFC, Fortaleza, CE. Recuperado de: [link]. [GS Search].

Santos, E. (2009). Educação Online para Além da EaD: Um Fenômeno da Cibercultura. X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia. Braga: Universidade do Minho, 5658-5671. Recuperado de: http://twixar.me/wkVK. [GS Search].

Simão Neto, A. (2002). As cinco ondas da informática educacional. Revista Educação em Movimento. 1(2) n.p.

Sociedade Brasileira De Computação (SBC) (2017a). Audiência Pública da BNCC. Brasília, Son., color. Disponível em: http://twixar.me/fX11.

Sociedade Brasileira De Computação (SBC) (2017b). Diretrizes para ensino de Computação na Educação Básica. Porto Alegre: SBC. Disponível em: http://twixar.me/rS11.

Universidade de Brasília (UnB) (2016). Projeto Político Pedagógico Curso de Graduação Licenciatura em Computação. Brasília, DF, Disponível em: [link].

Valente, J. A. & Almeida, F. J. (1997). Visão Analítica da Informática na Educação no Brasil: A questão da formação do professor. Revista Brasileira de Informática na Educação (RBIE), 1(1), 1-28. doi: 10.5753/rbie.1997.1.1.45-60. [GS Search].

Valente, J. A (1999). Informática na Educação no Brasil: Análise e contextualização histórica. In VALENTE, J. A. (Org.). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: NIED (pp. 11-29). [GS Search].

Valente, J. A. (2016). Integração do Pensamento Computacional no Currículo da Educação Básica: Diferentes Estratégias Usadas e Questões de Formação de Professores e Avaliação do Aluno. Revista e-Curriculum, 14 (3), 864-897. Recuperado de: [link]. [GS Search].

Vieira, M. F. (2011). 25 Anos de Informática na Educação Brasileira: Avanços e Retrocessos. Anais do XXII Simpósio Brasileiro De Informática Na Educação (SBIE). 1596. doi: 10.5753/cbie.wie.2011.1596-1599. [GS Search].

Vieira, M. F. V.; Santana, A. L. M. & Raabe, A. L. A. (2017). Do Logo ao Pensamento Computacional: o que se pode aprender com os resultados do uso da linguagem Logo nas escolas brasileiras. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, 4(1), 82-106, Recuperado de: [link]. [GS Search].

Werthein, J. (2000). A sociedade da informação e seus desafios. Ciência da Informação. 29(2), 71-77, Recuperado de: [link]. [GS Search].

Wing, J. M. (2006). Computational Thinking. Communications of the ACM. 49(3), 33-35. Recuperado de: [link]. [GS Search].

Arquivos adicionais

Published

2021-06-27

Como Citar

KAMINSKI, M. R.; KLÜBER, T. E.; BOSCARIOLI, C. Pensamento Computacional na Educação Básica: Reflexões a partir do Histórico da Informática na Educação Brasileira. Revista Brasileira de Informática na Educação, [S. l.], v. 29, p. 604–633, 2021. DOI: 10.5753/rbie.2021.29.0.604. Disponível em: https://journals-sol.sbc.org.br/index.php/rbie/article/view/2970. Acesso em: 12 jul. 2024.

Issue

Section

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)